Mutilação genital: uma prática em Atacora. Fazer com que a jovem Waama se renuncie a esta prática.

Mutilação genital: uma prática em Atacora. Fazer com que a jovem Waama se renuncie a esta prática.
Eu sou um professor que vive no seio de uma comunidade em Benim onde ainda se pratica a mutilação genital feminina. Revela-se necessário para erradicar esta prática não só uma decisão política e a consciencialização, como também é necessário encontrar soluções paliativas como a FACTAM, que preservem o aspeto económico e festivo desta cerimónia.
Rating: 
Video Duration: 
02:17
Creator: 
Tchibata
Date: 
quinta-feira, Janeiro 2, 2020
Level: 
Adult
Description2: 

Eu sou um professor que vive no seio de uma comunidade em Benim onde ainda se pratica a circuncisão e a mutilação genital feminina. Esta prática é um rito de passagem da adolescência à idade adulta e realiza-se uma vez a cada três anos. No homem esta prática consiste na remoção do prepúcio e na mulher do clítoris.
Embora esta prática tenha menos consequências para o jovem adulto, esta traz graves problemas de saúde à jovem mulher excisada.
Em primeiro lugar, o uso da mesma lâmina para todos os excisados, faz com que os riscos de transmissão de doenças e do VIH/SIDA sejam demasiado elevados. Em segundo lugar, a remoção da parte sensível da mulher, priva-a do seu direito ao prazer sexual e pode levar à esterilidade, à menopausa precoce e a outras complicações.
Para além disso, esta prática leva à depressão da mulher e cria um problema de saúde mental e físico. Consequentemente são dificultadas as atividades geradoras de rendimentos, o que leva à pobreza e à miséria.
Por último, apesar dos vários esforços implementados contra este fenómeno, este ainda permanece.  Esta permanência deve-se ao facto de esta ser uma cerimónia acarinhada pela comunidade, que possui também um aspeto económico e cultural. São estes os aspetos que tornam difícil a erradicação desta prática.
Revelando-se necessário para erradicar a mesma, não só uma decisão política e a consciencialização, como também é necessário encontrar soluções paliativas como a FACTAM, que preservem o aspeto económico e festivo desta cerimónia. Tal permitirá à jovem mulher que se renuncie a esta prática em prol da sua honra, saúde e dignidade.

 

Traduzido ao Português no âmbito da iniciativa PerMondo (traduções gratuitas das páginas web e documentos para associações sem fins lucrativos). Projeto dirigido por Mondo Agit. Tradutor: Cátia Teodósio.