Um olhar de quem vive na Caatinga.

Um olhar de quem vive na Caatinga.
Apesar de tanta destruição e um futuro incerto, existem soluções. é possível ver a Caatinga com um olhar mais otimista e carinhoso. É preciso deixar de lado a ideia preconceituosa de que não da para viver nessa região e que ela simboliza o atraso.
Duração do vídeo: 
00:00
Autor: 
Uarle Carvalho
Data: 
quinta-feira, Abril 27, 2017
Nível: 
Youth
Description2: 

Um olhar de quem vive na Caatinga. 

Januário, jovem morador da comunidade fazenda nova no município de Aguafria,.já percebia a diferença e desconfia que seus netos não conhecerão a caatinga, assim como ele conheceu.
Esse bioma é exclusivamente brasileiro e se mostra num agonizante processo de destruição. 45% dele não existe mais. Januário sabe disso, sabe também porque dá para ver que ali alguns animais e plantas não existem mais. Plantas  que serviam de alimentação humana e animal e para tratamento de doenças. O solo depois de desmatado se acha sem vida. Agora é difícil plantar e colher, o rio símbolo de vida morreu agravando ainda mais a seca em seu período.
Muitos acham isso normal, porem existem explicações. Januario extrai e usa de forma irracional os recursos naturais da Caatinga, desmatou demais para fazer pastos, cortou muita madeira para fazer lenha  caçou demais, degradou o solo, causou erosão e salinização do mesmo . Ele não tem consciência da destruição que causa( e não existe apenas um Januário no semiárido).
Apesar de tanta destruição e um futuro incerto, existem soluções.  é possível ver a caatinga com um olhar mais otimista e carinhoso. É preciso deixar de lado a ideia preconceituosa de que não da para viver nessa região e que ela é simboliza o atraso.
É possível através da agroecologia, do manejo sustentável da terra, de educação ambiental tornar esse bioma tão frágil e delicado  um amigo, ao invés de um inimigo seco, áspero e quente.

Para tanto é preciso mudar de mentalidade... a maioria das pessoas não entende disso e o pior não sabem que não entendem !
Januário vai mudar?  Ou quem nasce para quebrar licuri morre com a pedra na mão ?
 

Rating: 
5

Um presente para Comundos

Ao longo dos anos, Comundos ajudou comunidades remotas em todo o mundo, ensinando o pensamento crítico, na alfabetização midiática e no uso de tecnologia de comunicação.
Para fazer isso de forma eficaz, precisamos do seu apoio para computadores, traduções, cursos e o gerenciamento de mídia social.

Clique aqui para apoiar nossas ações.

Você será transferido para o fundo 'Amigos de Comundos' administrado pela Fundação Rei Balduíno.