Mulheres no semi arido

Mulheres no semi arido
Atualmente ainda existe muita injustiça com as mulheres, mas cada vez mais, no campo e na cidade, elas estão lutando para garantirem direitos iguais, ganharem sua independência financeira, ocuparem espaços e se tornarem sujeitas de suas próprias histórias.
Rating: 
5
Video Duration: 
:
Creator: 
Fabiano Vidal
Date: 
terça-feira, Maio 26, 2015
Level: 
Youth
Description2: 

Desde o início dos tempos, as mulheres sempre foram injustiçadas, sofrendo com a desigualdade, isolamento e violência. Estatísticas e nossa própria história nos mostram isso, infelizmente.

O machismo sem limites, que não aceita a igualdade entre os sexos, faz com que isso aconteça, deixando algumas mulheres de mãos atadas. Na região Nordeste do Brasil, essas estatísticas são ainda maiores.

Eu sou Comunicador Popular de uma cooperativa do interior da Bahia, que trabalha com agricultura familiar. No exercício da minha função na zona rural, encontro com muitas mulheres de coragem que quebram essas amarras e trilham seus próprios caminhos, com independência e protagonismo. Elas acordam e cuidam de suas hortaliças, que garantem a segurança alimentar e nutricional de suas famílias. O excedente da produção elas comercializam em feiras da cidade, gerando uma renda extra e melhorando a qualidade de suas vidas e as das pessoas que compram seus produtos sem veneno.

Algumas vão além, recebem intercâmbios de trocas de experiências em suas propriedades, onde repassam seus conhecimentos para agricultores familiares de outras regiões, os ensinando técnicas para que possam melhorar suas produções. Algumas políticas públicas voltadas para essas regiões, ajudam bastante nesse processo.

Uma simples tecnologia de captação de água no quintal de uma casa, pode transformar uma vida. Eu sei que atualmente ainda existe muita injustiça com as mulheres, mas cada vez mais, no campo e na cidade, elas estão lutando para garantirem direitos iguais, ganharem sua independência, ocuparem espaços e se tornarem sujeitas de suas próprias histórias.

 

Contato : www.institutocicaa.vai.la